Planejar precisamente com o que e como serão gastos seus recursos financeiros é indispensável. Tempos houve em que este hábito – enquanto ciência – era estranho à maior parte da população, porém se até mesmo Estados e Países Inteiros se servem de mecanismos de controle financeiro – ao exemplo do Brasil, que trabalha com uma fronte tripla composta de um Planejamento Plurianual, de uma Lei das diretrizes orçamentárias e de uma lei orçamentária anual – fica claro que este instituto possui importância e implicações homéricas.

Em observância ao método de análise cartesiana, iremos decompor a idéia de planejamento financeiro em seus mais intrincados elementos, para posteriormente facilitar a aplicabilidade deste artifício em suas finanças individuais e empresariais, visando abreviar passos em falso, principalmente no plano financeiro-empresarial.

O conceito básico por detrás da premissa em questão é de direcionar e controlar a atividade financeira de obtenção e utilização dos fundos de um negócio: fundamentalmente através da aplicação de princípios gerais de organização e planejamento aos recursos financeiros de dito negócio.

O que é?

Elementos:

  1. Decisões de investimento – Fazer um levantamento de capital orçamentário e decidir em quais ativos este será aplicado.
  2. Determinações financeiras – Se relaciona com a receita de entrada advinda de recursos os quais dependerão da decisão de tipo de recurso com que se pretende trabalhar, um lapso temporal de investimento, custo do financiamento e dos posteriores retornos.
  3. Escolha de distribuição de dividendos – O gerente financeiro deve decidir como o lucro líquido será distribuído; A mais comum divisão de aplicação do lucro líquido é dupla-face:

a) dividendos distribuídos aos donos de ações/sócios.

b) retenção de lucro para gastos de expansão e diversificação das metas e planos da empresa.

Para o que serve?

Objetivos do planejamento financeiro

Como dito anteriormente o fundamento do planejamento financeiro geralmente está associado à aquisição, alocação e controle financeiro, voltados a um objetivo. Estes são mas não se encerram em:

  1. Garantir a existência de um fundo de capital voltado ao exercício de um objetivo.
  2. Assegurar retorno financeiro aos donos/investidores/sócios-empresários.
  3. Garantir a otimização de uso do capital financeiro.
  4. Garantir seguridade financeira do investimento.

Como funciona?

As funções e o funcionamento do planejamento financeiro:

  • Estimativa de requisitos de capital – O gerente financeiro deve fazer uma estimativa em consideração aos requisitos financeiros de uma empresa, o que depende de uma expectativa de perdas/ganhos, planos futuros e políticas de ação.
  • Determinação de composição de capital – Após a estimativa, a estrutura de capital deverá ser determinada, e isso envolve uma análise de dívidas de curto/longo prazo, além do capital que a empresa possui e de fundos provenientes de fontes exteriores à própria empresa.
  • Escolher a origem financeira – A obtenção de fundos adicionais dependerá de decisão que analisará os métodos disponíveis de obtenção de fundos e dos respectivos benefícios/malefícios de seus respectivos usos, conjugados às especificidades da empresa. Os mais comuns são:
  1. Provimento de ações para vendas
  2. Empréstimos de bancos e instituições financeiras
  • Investimento de capital – O gerente financeiro deve decidir onde alocar o capital para que este gere retorno em investimentos.
  • Disposição de lucro excedente – A decisão de alocação do lucro líquido deverá também ser feita pelo gerente financeiro, geralmente ocorre por duas vias:
  1. Declaração de dividendos: Inclui identificar a proporção de dividendos e outros benefícios – como bônus – que serão distribuídos
  2. Retenção de lucro: O volume de lucro a ser retido deve considerar os potenciais planos de expansão, inovação e diversificação da empresa
  • Planejar a saída corrente de caixa – O gerente financeiro vai ter que deliberar como as saídas de caixa serão feitas, principalmente para os propósitos de pagamento de salários, despesas administrativas, despesas de fornecedores, manutenção de estoque, compra de materiais brutos, etc.
  • Controle financeiro – Novamente a encargo do gerente financeiro, ele deve não apenas planejar, obter e gastar o capital, mas também exercer controle sobre as finanças. Isto pode ser feito através das análises e previsões de custo, controle de lucro, e inúmeros outros marcadores que trazem informações importantes.

Abaixo disponibilizamos uma planilha de planejamento financeiro empresarial!

Marcos Mello

Marcos Mello

Editor

Escrito por Marcos Mello