Ferramentas de gestão empresariais fazem parte da administração de qualquer negócio, desde as micro e pequenas empresas, até as grandes multinacionais. Mas o que muitas pessoas não sabem, é que existem sistemas integrados de planejamento de recursos, que unem a função de muitas ferramentas em um só eixo, articulando-as em forma de módulos, e formando uma só estrutura de gestão negocial. Enterprise Resource Planning, ou ERP, é um dos termos mais recorrentes no mundo corporativo, traduz-se em Planejamento de recursos de empresa, e conceitualmente corresponde à premissa de sistema integrado de gestão.

Pode não parecer relevante, pois já existem centenas de programas que facilitam o controle de estoque, compras e vendas, pagamentos e recebimentos, assim como tantas outras funções comerciais. 

O grande diferencial, é que ao invés de ter um gasto excessivo de dinheiro em várias ferramentas individuais – que geram enorme perda de tempo na passagem de dados desuniformes, muitas vezes incompatíveis entre si – temos em nossas mãos uma ferramenta modular que permite a transição integrada de dados uniformes, capaz de acelerar o desempenho das funções de um negócio, se convertendo em uma grande economia de recursos e concorrente incremento do lucro de uma empresa.

Considerando a diversidade de alguns ramos do mundo corporativo, pode ser uma tarefa consideravelmente custosa a implementação de um sistema desse porte em determinadas empresas, afinal, muitas vezes a instalação do ERP requer uma reestruturação interna do empreendimento; mas se executado de forma certa, tem apenas à acrescentar. Podem fazer parte desse sistema integrado vários módulos como:

CRM (impulsionador de vendas);

Inventário (que auxiliam o controle de estoque, entregas, recebimentos, armazéns);

Vendas e Compra (possibilitam controle de clientes, parceiros, fornecedores, pedidos);

Manufatura (automatização de ordens de manufatura, levantamento de materiais específicos, estimativa de custos de manufatura, entre outros). Alguns sistemas trabalham ainda, com emissão de relatórios de operações e funções, facilitando a tomada de decisão através de um embasamento com dados reais do seu negócio.

 

Se a empresa trabalhar com máxima a fluidez e engajamento que um ERP de qualidade permite, não é difícil reparar no advento aumento de produtividade e performance, sinais de um bom investimento.

 

Marcos Mello

Marcos Mello

Editor

Escrito por Marcos Mello